Um pedacinho da minha alma...

sexta-feira, 13 de maio de 2011

Simplicidade

Ontem passei a tarde no hospital, foram tantos rostos, tantas histórias, uma diversidade de pessoas, costumes, tons de voz e olhares.
Pessoas tão simples, me senti frágil no meio de tanta gente, ninguém melhor do que ninguém e a espera é sempre a mesma. São todos sujeitos a doenças, a dor, ao desespero, a perda e a esperança.

Depois de algumas horas, um soro e um braço dolorido, eu finalmente fui liberada. Sentei em um banquinho ao ar livre, acendi um cigarro e observei um bando de pombos que pairavam por ali. Elas andavam sempre juntas, eram em seis, não pude deixar de observar a sincronia com que voavam, ora do poste ao chão, ora do chão ao poste.
Elas escolheram voar sempre juntas, ciscar e voar. Isso me fez pensar em uma coisa, será que elas usam os mesmo critérios para a "amizade"?
Ou será que pra elas basta apenas ser da mesma espécie? Ou será que a cor das penas ou o modo com que coordenam seu pescoços são um tipo de pré-requisito?

Acho engraçado pensar nisso, por vezes desejei ser apenas um pássaro, nem pequeno, nem grande, apenas um pássaro com assas suaves e rápidas. Um beija-flor talvez, rápido, independente, com cores fortes e um voo encantador. Mas voltando ao assunto inicial, como será que os animais escolhem seus parceiros, amigos, companheiros?
Não sei essa resposta, mas tenho certeza de que é de um jeito muito mais simples e humano do que nós fazemos.

3 comentários:

Beatriz Luiza disse...

Com certeza de um modo mais simples, mais sincero e espontâneo. Afinal, os pássaros são livres!

Anônimo disse...

Humana que não pode ser, pq afinal eles são animais...rsrsrs ai q viagem da pessoa tadinha...

Amanda Carbone disse...

Primeiro, tenho pena de saber que sua cabecinha pequena e sua visão mínima permitiu que entendesse apenas as linhas e não as entre linhas que são a essência do texto.
Segundo, se acha viagem da minha parte, porque ainda lê?

Beijo hein!